sexta-feira, 4 de junho de 2010

MORMO EQUINO.

Mormo
Mundo Hípico (parcialmente alterado)

O Mormo ou lamparão, é uma doença infecto-contagiosa dos eqüídeos, causada pelo Malleomyces mallei, que pode ser transmitida ao homem e também a outros animais.

Manifesta-se por um corrimento viscoso nas narinas e a presença de nódulos subcutâneos, nas mucosas nasais, nos pulmões, gânglios linfáticos, pneumonia, etc. No Brasil, felizmente, embora tenham sido constatadas reações positivas, ainda não se comprovaram casos desta enfermidade (alguns casos isolados estão sendo acompanhados para posterior comprovação).


Transmissão

Os animais contraem o Mormo pelo contato com material infectante do doente, por exemplo:
· pus,
· secreção nasal,
· urina ou
· fezes

O agente da doença penetra por via digestiva, respiratória, genital ou cutânea, sendo esta última só por alguma lesão. Quando penetra no organismo, em geral, o germe cai na circulação sangüínea e depois alcança os órgãos, principalmente os pulmões e o fígado. O período de incubação é de aproximadamente 4 dias, mas pode variar bastante.

Sintomas
O Mormo apresenta forma crônica ou aguda, esta mais freqüente nos asininos.
Os animais suspeitos devem ser isolados e submetido ao teste comprobatório de maleína, sendo realizado e interpretado por Médico Veterinário. A mortalidade desta doença é muito alta.
A forma aguda é assim caracterizada:
· febre de 42ºC, fraqueza e prostração;
· aparecimento de pústulas na mucosa nasal que se transformam em úlceras profundas e dão origem a uma descarga purulenta, inicialmente amarelada e depois sanguinolenta;
· há intumescimento ganglionar, e o aparelho respiratório pode ser comprometido, surgindo dispnéia.

A forma crônica se localiza na:
· pele;
· fossas nasais;
· laringe;
· traquéia;
· pulmões, porém de evolução mais lenta;
· pode mostrar também localização cutânea semelhante à forma aguda, porém mais branda.

Profilaxia
Devem ser tomadas as seguintes medidas:
· notificação imediata à autorização sanitária competente;
· isolamento da área onde foi observada a infecção;
· isolamento dos animais suspeitos como resultado da prova de maleína e sacrifício dos que reagiram positivamente à mesma prova repetida após dois meses;
· cremação dos cadáveres no próprio local e desinfecção de todo o material que esteve em contato com os mesmos;
· desinfecção rigorosa dos alojamentos;
· suspensão das medidas profiláticas somente três meses após o último caso constatado.

Tratamento
Os produtos usados devem ser à base de sulfas, principalmente sulfadiazina e sulfatiazol ou sulfacnoxalina ou clorafenicol e outros, em forma de grupos antibióticos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário